APA da Orla da Baía de Sepetiba

Localização / história

Esta APA corresponde a uma extensa faixa litorânea que se inicia em Barra de Guaratiba e se prolonga até o Rio Itaguaí, no limite entre os municípios do Rio de Janeiro e de Itaguaí. Foi criada pela lei municipal 1.208, de 28 de março de 1988, oriunda do Projeto de Lei n.º 1461-A, de 1986.

   Figura 1. Mapa da área de estudo, mostrando as três zonas (interna, central e externa) da Baía de Sepetiba, no Sudeste do Brasil.

Objetivos da UC
I – Assegurar a preservação dos remanescentes de Mata Atlântica da porção fluminense;
II – Recuperar as áreas degradadas ali existentes;
III- Preservar espécies raras, endêmicas e ameaçadas de extinção ou insuficientemente conhecidas da fauna e da flora nativas;
IV – ntegrar o corredor ecológico central de Mata Atlântica no Estado do Rio de Janeiro;

Vegetação
Em toda região verificam-se remanescentes de manguezais, restingas e da Mata Atlântica. Os manguezais abrigam uma flora típica deste ecossistema, pouco diversificada e altamente adaptada ao regime marés e salinidade. Encontra-se espécies de mangues como o mangue-vermelho(Rhizophora mangle), o mangue-branco (Lagunculária racemosa) e em suas raízes pode-se observar algas( Bostrichia radicans). Em alguns trechos encontram-se apicuns, áreas de solo mais arenoso e salino, praticamente desprovido de vegetação, onde apenas algumas espécies crescem, como a erva-de-vidro e o bacopá. Sobre os espécimes arbóreos mais antigos, predominam os líquens do Gênero Usnea e as Bromélias. A vegetação de restinga é composta basicamente pelo feijão-da-praia, a salsa-da-praia e o capim-da-praia.

Fauna
A maior parte das espécies é encontrada nos manguezais, habitat principal ,entre as quais se destacam moluscos, como a ostra(Crassostrea), o mexilhão(Perna perna) e o samanguaiá (Anomalocardia brasiliana), crustáceos como o uçá, o aratu-vermelho e os siris. Os peixes mais comuns na região da APA são as tainhas, o robalo, e o barrigudinho. Borboletas e libélulas também são insetos, componentes da fauna encontrados frequentemente nos diversos habitats da APA. Já as aves são bem representadas, por espécies raras e ameaçadas, como o colhereiro (Ajaia ajaja) e o pato-de-crista (Sakidiornis melanotos), frequentemente também avistam-se as garças, o quero-quero, a jaçanã, a saracura, a rolinha, o tiziu, o pica-pau- anão, beija-flores, bico-de-lacre ,dentro outras espécies.

Principais Atrativos
I- Além das atividades desenvolvidas nas praias cariocas;
II – Pesca;
III – Bares e restaurantes da região oferecem uma variada especialidade em pratos de frutos do mar;
IV – Para moradores das comunidades vizinhas, são oferecidas aulas de esportes, como natação, ginástica, artes marciais e balé, mediante pagamento de uma taxa;
Evento anual “Semana da Asa”, de 18 a 25 de outubro , promovido pela Base Aérea.

A Secretaria de Meio Ambiente da Cidade do Rio de Janeiro é o órgão central executivo responsável pela gestão, planejamento, promoção, coordenação, controle e execução da política de meio ambiente no município do Rio de Janeiro.

  • ENDEREÇO DO ÓRGÃO:
    Centro Administrativo São Sebastião – CASS

    Rua Afonso Cavalcanti, 455 – Cidade Nova – Rio de Janeiro/RJ
    CEP: 20211-110

    HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO:
    9h às 18h

    ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO
    (e-mail exclusivo para a imprensa)

    comunicacao.smac@gmail.com

  • DÚVIDAS, SERVIÇOS, INFORMAÇÕES OU DENÚNCIAS:
    ligue 1746.

    PORTAL:
    www.1746.rio